Vídeos com alguma facécia

Agora é possível desfrutar de alguns vídeos relacionados com os textos. Para isso basta carregar no título do post. O título é aquela coisa a Negrito, com umas letras maiores, e que antecede as profícuas palavras deste blog. Advertência: Caros leitores, estão completamente proibidos de ver os vídeos antes de lerem as barbaridades escritas, correndo o risco de serem atingidos por uma comichão deveras desagradável na zona da púbis, seguido de pé-chato nas mãos e escorbuto nos tornozelos.

Thursday, March 17, 2005

"Fora de prazo"

Ia alvitrar um post relacionado com a minha ausência de participação no blog quando vi uma luz branca, deixei de conseguir mexer-me e só a custo articulava algumas palavras.

Pensei que era o papa, mas afinal não.

Olha, já passou! Que coisa... tenho que deixar de ver os Batanetes.

Pior que isso, com isto tudo, esqueci-me do que ia escrever!

De qualquer modo, como o título já lá está, aqui vai uma extensa dissertação subordinada à minha visão baseada em dados empíricos e analisada segundo um ponto de vista puramente conceptual, destilada a partir de centenas de pequenas anotações recolhidas ao longo das últimas semanas, em que aconteceu um pouco de tudo, desde o Pedro voltar a marcar e o outro Pedro voltar à CML. Entretanto, num cartel de droga colombiano, Escobar pede Ramón em casamento e, mais a norte, Fidel acende um charuto.

O quê? Claro que não estou a divagar! Esta gente...!


Bom, o que aqui me traz é um conselho avisado: Comam coisas fora de prazo!

Preocupações sociais à parte, nem é para poupar que se deve fazer isto; é mesmo porque dá pica!

A emoção, a adrenalina, o risco! A colher a tremer, um olhar desconfiado, um cheiro ligeiramente diferente do habitual... o terror seguido de riso descontrolado, a vida no limite!

Ainda não vos convenci? São um público difícil, estou a ver...

Tenho feito uma dieta à base de alimentos com alguns dias de atraso e... so far so good!
Um belo dia acordei a sentir-me muita maluco e, enquanto degustava um iogurte "de 4 dias", pensava:

"O que é que os gajos sabem das datas que imprimem nas embalagens?? Oh por favor..."

Começo a desconfiar que aquilo não passa de um esquema maléfico para garantir que as pessoas vão aos supermercados frequentemente.

Além disso, é roto não comer uma coisa por medo.

Ok, a teoria já acabou. Basicamente, se não alinham no meu projecto de seita é porque:

1 - São um joguete nas mãos da indústria alimentar
e/ou
2 - São rotos


Para quem se quer alistar no exército "para-mim-a-data-não-conta", segue-se o plano inicial.

Vamos fazer uma experiência: vemos até quanto tempo fora do prazo conseguimos ingerir alimentos sem ficarmos seriamente doentes!
Imaginem o valor comercial de uma listagem destas por produto ou mesmo área alimentar!
Isto é que é Business Intelligence... o Gartner Group e a IDC até salivam!

Podemos fazer uma área no blog destinada a recolher os vossos dados, alimento, data de ingestão e hora de entrada no S. José. Depois deve ser possível correlacionar tudo e deduzir uma fórmula para o erro padrão associado às datas.

Ou isso ou perguntamos a alguém conhecido, e que faça controlo de qualidade numa unidade de produção alimentar, a margem de tolerância colocada nas datas. Mas daí, é capaz de ser muito trabalhoso... fica de pé a primeira proposta.

Digam coisas!



Olha, olha... agora estou eu a ver que consigo relacionar a minha dieta bizarra com alguns sintomas: tenho mau humor matinal, cheiro mal depois de poucas semanas sem tomar banho, fico chateado quando Benfica perde e quando vou ao Chimarrão fico cheio! Que raio!

5 comments:

stillforty said...

Estou a ouvir ogrito das ambulâncias, será que és tu?

JMP said...

Lamento desiludir-te... fui a pé!

olhorobot said...

vou comer chocolate de culinária com prazo de validade findo em janeiro de 2009. amanha digo o resultado!

olhorobot said...

ainda estou bem!

olhorobot said...

passado 10 horas ainda não me desfiz!