Vídeos com alguma facécia

Agora é possível desfrutar de alguns vídeos relacionados com os textos. Para isso basta carregar no título do post. O título é aquela coisa a Negrito, com umas letras maiores, e que antecede as profícuas palavras deste blog. Advertência: Caros leitores, estão completamente proibidos de ver os vídeos antes de lerem as barbaridades escritas, correndo o risco de serem atingidos por uma comichão deveras desagradável na zona da púbis, seguido de pé-chato nas mãos e escorbuto nos tornozelos.

Thursday, December 30, 2004

Os guardiães do labirinto

Por vezes a mesquinhice, tacanhez e completa idiotice de algumas pessoas faz-me recordar a história do labirinto e do seu guardião.

Hoje aconteceu-me novamente uma dessas situações, e dei para mim a pensar por que raio somos uma sociedade tão burocrata, cheia de palas nos olhos quanto às regras de convivência e funcionamento das instituições.

A sociedade portuguesa, ao (pseudo)desenvolver-se na modernidade, criou uma série de mostrengos burocratas, cujo gozo supremo não é provocar irritação nos outros mas, ao invés, cumprir, em quaisquer circunstâncias e situações, literal e completamente com os seus deveres.

São os guardiões do labirinto.

Não imagino que os portugueses do séc. XV alguma vez pudessem ter sido assim. Será que, à partida das Caravelas do Tejo para novas viagens de Descobrimentos, existia um guardião do trânsito do Tejo, um polícia fluvial? Alguém que pudesse impedir a saída dos navios com o argumento de se estar a desrespeitar qualquer regulamento, régio ou de outra natureza, que previsse as horas do tráfego ribeirinho? Que impusesse directrizes quanto à cor das velas dos navios, qualidade dos dentes dos marinheiros ou presença de roedores a bordo?

Nessa altura podíamos ser tudo: aventureiros, destemidos, inconscientes, facínoras, colonialistas... Mas, porra!, burocratas é que não!

Hoje em dia os portugueses evoluiram:

temos melhores índices de escolaridade (ainda que para um miúdo de 10 anos chumbar, seja preciso matar um professor, violar as mães de dois, sequestrar 4 colegas durante uma semana com ameaça de arma de fogo. E ainda assim a votação vai ser renhida no conselho de turma...);

temos melhores índices de rendimento per capita (Champalimmaud, volta!, a coisa tá mais fracota);

e temos, para voltar ao início, mais e melhores guardiães do labirinto.

A história é simples:

Depois de umas férias num paraíso tropical, chegar a Portugal deveria ser sinónimo de chegar ao "primeiro mundo". Ou não...

9h da manhã. O tráfego de pessoas no terminal de chegadas não era exagerado. Logo após a saída para o exterior, estende-se uma longa e interminável fila de táxis esperando impacientemente cliente. Para chegar até lá, já só faltava passar uma última prova: o labirinto.

O labirinto é um daqueles dispositivos de controlo de manadas humanas. Um formar fila obrigatório (quem andou dias sem fim na Expo 98 sabe a que me refiro: alguns postes metálicos, ligados por correntes, que delineiam um caminho serpenteante a percorrer até ao seu final), que os portugueses ou os estrangeiros que por cá passam (em Roma,...) não atingem um nível de civilidade mínimo para formarem filas por eles próprios, sem atropelos ou malandragens.

No final do labirinto, a borda do passeio e um táxi parado à espera.

Mas não só: no final do labirinto, também um funcionário (sei lá de quem...): o guardião do labirinto.

Nesse dia, pelas 9h, ninguém percorria os caminhos ziguezagueantes do labirinto. No final deste, um casal entrava num táxi, demorando mais algum tempo que o normal, devido ao excesso de bagagem que transportava. À nossa volta, nem vestígios de seres humanos num raio de 20 metros.

Como é óbvio, não percorremos o labirinto. Colocamo-nos atrás do casal e esperamos que o táxi arranque e se chegue o próximo.

Nisto, salta o nosso guardião do labirinto, defensor de regras de conduta cuja violação só pode ser, certamente, reprovável moral e eticamente a um nível próximo do criminal (e não deve ser uma bagatela criminal, juro!): "Onde é que os senhores vão? Têm de percorrer aqui o caminho. Não podem passar assim ao lado."

Explicamos que não está ninguém no labirinto e que não faz sentido percorrê-lo se a razão de ser dele é impor uma ordem a um conjunto de pessoas que, pura e simplesmente, não existe.

A resposta é óbvia: "Peço desculpa mas eu só executo ordens. E a ordem é para isto ser cumprido."

Reafirmamos que não faz qualquer sentido isso. O senhor parece ceder. Nisto, três pessoas começam a percorrer o labirinto. O que dá um novo fôlego à argumentação do guardião do labirinto: "Estão a ver? Os senhores agora perderam a prioridade. Aqueles senhores passam-lhes à frente.".

Rematando com um fantástico "Além disso, nenhum taxista os vais transportar se não tiverem percorrido o caminho entre os postes.". Como é óbvio!... Qualquer taxista que se preze selecciona a sua clientela a dedo: "Humm, este senhor hoje não gargarejou com elixir. Lamento mas não pode entrar no meu veículo..." ou então "Desculpe lá, eu vi-o a atravessar a rua, ainda que na passadeira, mas com o sinal vermelho para os peões. Tente com o meu colega, mas acho que vai ter de ir a pé...".

Estavamos nesta conversa de surdos (recapitulando: um guardião do labirinto, duas pessoas que não percorreram o labirinto e três pessoas que percorreram o labirinto) quando um outro elemento se junta ao grupelho.

Um polícia, devidamente uniformizado e identificado, que pergunta o que se está a passar. Ouvidas as partes e seus respectivos argumentos, a sua decisão salomónica é tremenda e diz-me quase em surdina "Um dos senhores fica aqui e o outro vai lá percorrer aquilo. Não custa nada.".

Pois não. Realmente não custava nada. Pela nossa parte, saímos dali e fomos apanhar o táxi junto do terminal de partidas.


Grassam guardiães do labirinto por aí. Resta saber de quem é a culpa: se deles, se de quem os cria...

Tuesday, December 28, 2004

EU HOJE ACORDEI ASSIM:

Posted by Hello

Radiante, lixada da vida com aquelas nuvens cinzentas que aparecem no céu a desviar a luminosidade para outras paragens, a apetecer-me dançar pela Baixa ao som de violinos e harpas mágicas. Sinto falta de uns collants verdadeiramente quentes mas isso é secundário. Relembro com reprimida saudade o último Mon Chèri que emborquei ontem, produto massificado e proletário (aargh!) da indústria bomboneira decadente. Adoro o Natal, mas ainda mais a pseudo-intelectualidade de direita.

(como não poderia deixar de ser, um piscar de olhos - os dois, alternados, tipo cisco irritante - a http://bomba-inteligente.blogspot.com, com votos de Feliz Natal)

Monday, December 27, 2004

humor negro para a mesa 12, por favor

sempre se soube que a Ásia é dos melhores locais do mundo para surfar

A Metáfora

No jantar de Natal do PSD (sim, aquele que implicou ofícios internos aos almeidas da CML, entre outros...) e sem nunca dispensar as mais belas metáforas políticas que o caracterizaram nestes 4 meses de governação (brevemente disponíveis numa obra em 3 volumes, prefaciada, como não poderia deixar de ser, por Luis Delgado), Santana Lopes comparou o executivo que liderou com «uma ambulância» que transportou «o país doente em consequência da governação socialista».

O que é certo é que esta é uma análise política e sociológica perfeita.

Senão vejamos esta pequena peça da nossa autoria:

Acto I
personagens:
país doente
alguém que pede por socorro
operador do 112

país doente
- Raisparta, estou mesmo doente! (arrasta-se andrajosamente) Será que existe algum senhor ou senhora que tenha a bondade ou a possibilidade de me auxiliar??

alguém que pede por socorro
- Oh criatura, que estado é o seu... Espere que eu uso o meu telemóvel topo de gama e ligo para os Bombeiros, o INEM, a Protecção Civil, o Serviço de Protecção a Incêndios Florestais (estes últimos à cautela, claro...) liga do telemóvel

operador do 112
- 112, bom dia! Em que posso ajudar?

alguém que pede por socorro
- Tenho aqui um doente em estado grave. Penso que seja o nosso país... Podem vir buscá-lo?

operador do 112
- O nosso país? Concerteza! Então o estado dele não é, certamente, grave: é gravíssimo!! Vou já mandar o nosso melhor técnico, o José Manuel. desliga o telefone

Acto II
personagens:
país doente
José Manuel


país doente
- Definho... Disseram que me mandavam alguém... (contorce-se)

(interregno de 2 anos; não existe qualquer contacto entre as personagens)

José Manuel (dá dois passos para dentro do palco)
- Bem, acho que o que está a dar na área do socorrismo público é Bruxelas. Penso que não deixei nada a meio por estas bandas... Quer dizer, como fiz rigorosamente nada, também é impossível ter deixado algo a meio. Enfim... sai do palco pelo fundo

Acto III
personagens:
país doente
ambulância
Santana Lopes

país doente
- Definho... Disseram que me mandavam alguém...

Santana Lopes (a conduzir a ambulância)
- Ah, que bem que se está nesta noite lisboeta! Luís, tens sorte por eu estar aqui para te conduzir a ambulância, que nesse estado nem te aguentas em pé... Pessoal, vamos à Merendeira? passa a mão pelo cabelo cheio de brilhantina

ambulância
- Epá, ainda apanhávamos era a fábrica de bolos ali da Praça do Chile, ou não?

Santana Lopes (pára a ambulância ao ver um corpo inerte no chão, à sua frente)
- Olá, o que é que temos aqui? Que abandono... Ó amigo, para que lado é que se come qualquer coisa a estas horas?

país doente (levanta o tronco do chão, ao ver a ambulância parada à suua frente)
- Uma ambulância... Finalmente... Levam-me para o Hospital?

Santana Lopes
- Para a Kapital? Epá, viemos de lá agora... Mas entra, que ainda há espaço para mais um. Ficas é a saber que vais no chão. Nós já cá estávamos. arranca

Acto IV
personagens:
país doente
ambulância
Santana Lopes


(passam-se 4 meses)

país doente (com um esgar de dor profundo)
- Mas então andamos aqui às voltas, sem destino?

ambulância
- Epá, tou seca a paus...

(ambulância fica sem gasóleo)

Santana Lopes
- Portuguesas e Portugueses...


FIM
(bem, o fim é mesmo só em Fevereiro/Março próximo; mas a palavra fica bem aqui, não fica?)

Tuesday, December 21, 2004

"Pai Natal, Unipessoal"

A grande questão dos nossos tempos não é o Terrorismo, como se pensa por aí.

Nem sequer é saber se o Mantorras volta a jogar.

A maior interrogação que deve percorrer a mente humana é: "Onde vai S. Nicolau ao dinheiro para tanta prenda?"


Associadas a esta questão, saltam à baila muitas outras:

Como é que o Rui Barros se escapou a integrar a força de trabalho dos Gnomos? Será por ser protegido do Papa? Toda a gente sabe que S. Nicolau não se dá muito com a igreja. São dois negócios à parte.

Voltando a questões sérias... os Gnomos.
Como os motivam? Quanto recebem? Será que trabalham para comer? Isso não é ilegal, mesmo à luz da legislação da Lapónia? Quem lhes paga a segurança social?

"Acidentes de trabalho: 0", alguém acredita?

Gnomofilia?

Porque não há greves?
Deve haver gnomos capangas a la corpo de segurança do Jorge Nuno para silenciar as massas, liderado por um gnomo mau e desdentado. Uma espécie de guarda abel de Lilipute.


Espero já ter criado interrogações suficientes acerca da força de trabalho.

Agora, quanto ao negócio em si:

Porque faz questão de manter a distribuição própria, porque não recorrer a uma UPS ou DHL em regime de outsourcing? Será porque tem medo que se saibam os segredos do transporte? É que fazer largos milhões de entregas numa noite não é para todos. Terá descoberto o teletransporte?

Por falar nisso, porque trabalham os gnomos em casa de Nicolau? Porque não no Paquistão ou na China?

Será o Natal um gigantesco esquema de lavagem de dinheiro?
Onde tem a "Pai Natal, Unipessoal" as off-shores?

Porque nunca foi auditada?

Quais as suas relações com a Toys 'r' Us e mesmo com Belmiro de Azevedo e a sua Sonae?
E a Coca-cola, que até compra tempo de antena para promover "Nicolau e sus renas"?


Quanto ao Nicolau-Mobile:

Porque não tem matrícula o trenó?
Como nunca foi abalroado por um avião?
Estará a CIA ao corrente?
Rudolph é a rena maricas para agradar a lobbies gay? Por pressão do Bloco?


Fazemos votos para que se esclareçam estas e outras perguntas através da criação de uma comissão independente de inquérito que investigue os tentáculos desta organização mafiosa.

Cuidado Nick, a operação "Trenó Dourado" está em marcha!

"Ofereçam Cintos"

Gosto mais de passear pela Baixa no Natal do que de fazer compras.
Sou um freak, portanto.

A malta gosta é de comprar presentes, de andar com uma listinha a comprar dezenas de "lembranças" para tentar compensar. Compensar os amigos que não se visitaram, as primas que se veem uma vez por ano, os avós que ficam meses sem um telefonema. Depois, é suborná-los com um presente, embrulhado em papel bonito.
Quem inventou esta hipocrisia pegada?

"Hipocrisia? Mas eu dou os presentes com prazer!"
Claro, e o Once Caldas é uma grande equipa.

Ok, admito que alguém dê presentes com vontade, com significado. Talvez a uma criança, a um bom amigo que se sabe querer algo, a uma Mãe.

Agora a TODA a família? A metade dos amigos? A tudo o que é puto, por terrorista e desagradável que seja?

"Ah, mas eles o ano passado também deram"

"E se eles oferecem e eu não tenho nada?"

Sem comentários.

Ok, só um:
"F-A-L-T-A - D-E - P-E-R-S-O-N-A-L-I-D-A-D-E"

Mas há mais!
Porque raio tem que ser tudo no mesmo dia? Uma espécie de contrato anual que nos obriga a esperar pela noite em que nasceu o "filho-da-virgem". Ou será "mãe-solteira"? Não, é mesmo "virgem". É verdade... já vos confidenciei que o Pukanito também foi posto no ventre de Clarabela por obra e graça do santo espírito? A sério!

Novembro. Passamos pelas montras e vemos aquele presente que era mesmo o número de um amigo. Vamos oferecer-lho? Não! Ainda não é Natal! Vamos esperar.
O gajo morre atropelado 3 dias antes do Dia das Prendas.

Agora, além de chorar a perda de um amigo, temos um presente a mais! Esta época dá-me cabo dos nervos!

Para mim era tudo corrido a "cintos". Acho que é uma prenda gira.

"Cinto muito, mas este ano não tens presente"

É para aprenderem.

EU HOJE ACORDEI ASSIM:

Posted by Hello

... a querer desesperadamente vestir roupa de xadrez, pronta para uns passeios no campo, entre buracos de areia, merda de vaca e toupeiras manhosas. Apeteceu-me voltar a swingar, andar de boné como o ministro demissionário Portas e tirar a minha gilette para o buço lá daquela gaveta onde estava escondida desde os meus 15 anos.

(sim, novamente publicidade a http://bomba-inteligente.blogspot.com e, ainda por cima, à pala!)

Monday, December 20, 2004

A LITROSA

"Ser igual ao litro" é ser "igual a 10 decilitros", o que equivale a dizer que é ser "igual a 100 centilitros", o que também equivale a dizer que é ser "igual a 1000 mililitros", e por aí em diante...

Mas porque raio usamos nós estas expressões que tanta confusão fazem à minha pobre cabeça lenta e subliterada??? (bolas!: "sublitrada" ficava melhor neste post... coragem, escreve qualquer coisa com piada... depressa...)

E será que é indiferente o "litro" a que se é igual???

Isto é, será a mesma coisa ser (ou ser-se) igual a um litro de água, de benzina ou de gelado de noz??

Atentemos na frase típica: "tu para mim és igual ao litro.". Assim mesmo, com toda a confiança que um ponto final pode trazer a uma afirmação. Sem olhar para trás nem para os dois lados da estrada.

Ou então: "comer gafanhotos assados para mim é igual ao litro."... Caraças, gafanhotos também não foi um bom exemplo. O troll comum não come gafanhotos, toda a gente sabe....

Raios... Então "ser igual" ao litro é bom ou mau? Ainda não percebi mas também, de qualquer forma, não estou interessado na parte dos insectos...

Ou então, certamente dependerá da pessoa a quem se diz esta alarvidade, do contexto ou das condições meteorológicas desse dia...

Como por exemplo: "Tu [XXX] para mim és igual ao litro", sendo que XXX é um famoso alcoólatra que já foi presidente do SL Benfica e cujo nome não é possível revelar para preservar a sua intimidade. Litro de whiskey, bem entendido! Trata-se, como é bom de ver, de uma mera associação, de indentificação, sem qualquer juízo de valor.

NOTA DO CONSELHO DE REDACÇÃO DESTE BLOGUE: AQUI NÃO FAZEMOS JUÍZOS DE VALOR. NUNCA. MESMO NUNCA.

Continuando...

Ou então, no meio de uma tempestade tropical, e debaixo de uma bátega de chuva: "Estar aqui é igual ao litro", sendo certo que a pessoa em causa já levou água equivalente a três baldes cheios em cima da tromba. Compreende-se...

Recuso-me, portanto, a aceitar que "ser igual ao litro" seja apenas uma marca verbal de indiferença.

Nós aqui neste blogue não somos iguais ao litro.

Pois não?? Somos??...

Pelo menos litro e meio, vá lá... Em embalagem TetraPak... E de Água de Rosas, por favor!

Friday, December 17, 2004

A Pergunta

Os 13 juízes conselheiros do Tribunal Constitucional anunciaram hoje o seu parecer negativo à pergunta aprovada no Parlamento para o referendo à Constituição europeia.

De acordo com o Tribunal Constitucional, a pergunta para o referendo ("Concorda com a Carta dos Direitos Fundamentais, a regra das votações por maioria qualificada e o novo quadro institucional da União Europeia, nos termos constantes da Constituição para a Europa?") não respeita os requisitos de clareza.

Propomos aqui algumas perguntas para um qualquer referendo que se entenda necessário por estas dias que se aproximam:

- Concorda com a utilização de boné pelo ministro demissionário Paulo Portas, em Conselhos de Ministros realizados no Tejo, com a retirada do mercado de maços de SG Ventil suspeitos de conter substância (ainda mais) cancerígenas e que o filme "O Padrinho II" é o melhor da trilogia?

- Concorda com a prisão preventiva de todos os habitantes da Canas de Senhorim, para evitar mais distúrbios públicos, com a clonagem de células estaminais e que a Pizza Hut é melhor que a Telepizza?

- Concorda que um chihuahua não é irritante, que "Mistura Fina" é uma telenovela razoável e que se deveria aprovar um modelo de eleição para a Assembleia da República alicerçado em círculos uninominais?

- Concorda que 2+2 podem não ser 4, que o Centro Cultural de Belém foi uma obra de inegável relevo mas só aceite à distância e que Vitor de Sousa faz os Batanetes só porque está à rasca de dinheiro?


Espero, sinceramente, ter deixado o meu singelo mas esforçado contributo à democracia portuguesa...

EU HOJE ACORDEI ASSIM



rosada, mais machona, com as minhas rastas ao vento e a precisar urgentemente de um charro

(sim, http://bomba-inteligente.blogspot.com de novo)

Thursday, December 16, 2004

"Votai P.B.C."

Exigem-se medidas, senhores governantes!

Uma coisa é morrer-se à fome neste país, "no big deal"... sempre aconteceu.

Outra, muito pior, é roubarem o Benfica, em vez de o benificiarem escandalosamente. EU QUERO QUE ROUBEM A FAVOR DO GLORIOSO! E não estou sozinho. Embora haja uma quebra recente no Benfiquismo, quaisquer 3 vitórias consecutivas são um Prozac nacional. Ele é taxistas bem dispostos, ladrões que em vez de se darem à profissão ficam em casa com os filhos, pessoas felizes e uma boa disposição em todo o sítio onde se conheça o Eusébio.

É esta a Força (não a da Nelly Furtado). É isto que nos une. Foi isto que pôs o PSD no poder, meus amigos! Muito mais racional que votar em qualquer partido político hoje em dia é votar num partido com orientação clubística!

Estou disposto a votar num partido que se comprometa com o objectivo "Benfica Campeão". Até podem ser corruptos, pedófilos, ladrões e maricas. Isso já nós temos de qualquer modo. Falta-nos é a promessa de um "Benfica Campeão". Isso sim. Intervenção do governo no futebol, a bem da felicidade colectiva.

"Ah, e os outros que não são do Benfica?", exclama uma vozinha amaricada em tom bloquista, inteligente e perspicaz. "Os outros são menos de metade, Excelência", ouve-se um Troll a retorquir com entoação professoral.

E o que é a democracia senão a ditadura da maioria? De 10 estéreis mentais, desinformados e com aspecto de ovelha, a contar o mesmo para efeitos de voto que uma pessoa interessada e capaz , com o objectivo de tomar uma decisão séria sobre o seu futuro?

Vão votar! Eu também vou, mas é no P.B.C.!

Quem não percebeu o que a sigla desta nova força política quer dizer, pode ficar em casa a coçar-se, por favor.


"Sem visitantes"

Dia negro para o bloggismo europeu em geral e mundial em particular.

Qualidade, perspicácia, visão, humor, inteligência... tudo características que o nosso blog não possui. No entanto à semelhança de um desempregado que não produz e é um encargo para o país, qual Ordenado Mínimo Nacional, exigimos aquela que deve ser a nossa recompensa por anos de esforço e dedicação (ou serão dias?): os Visitantes Mínimos Mensais.

Foi com grande tristeza que ao início da tarde abri o nosso blog (numa tentativa desesperada de contar como mais um visitante) e constatei que o nosso cantinho na net era um cantinho... SEM VISITANTES!!

A vida perdeu todo o sentido e já pensava quantos metros seriam da janela ao chão quando me tocaram levemente no ombro e me sussuraram, em tom calmo e morno, ao ouvido:

deus: Jovem Troll, não faças isso! Ela não merece!
Jovem Troll: Não é ela, é o meu blog!

deus não sabia o que era um blog.

Expliquei-lhe.


Eram 4 e meia da manhã quando percebeu e consultou o site no seu PDA. Já tem acesso banda larga naquilo, o estupor. Uns são filhos, outros são enteados, é sempre a mesma coisa!

Foi então que realizou um milagre:
"Com ar contemplativo e mãos erguidas ao céu..."

Ah, não! Isso era um filme que vi a semana passada! Nem sequer foi um milagre, pois.

deus olhou para mim e, tratando-me por "besta", explicou: afinal não eram "sem visitantes"... eram 100.

Ainda há quem duvide... "Jesus Cristo é o Senhor" e mainada!


Fiquei mais aliviado e fui outra vez telefonar à minha avó para ser a número 101.

"Estar doente"

O que é afinal estar doente?
Naturalmente, depende da doença. Vejamos o caso comum da gripe.


Estar com gripe:

É andar ranhoso?
Também ando quando apanho frio. Vá lá, metade do Inverno.

É ter arrepios, dores na tête? A cabeça parecer um melão?
Qualquer ressaca não o é sem os referidos sintomas.

É ter o corpo dorido?
Uma jogatana de futebol com os amigos produz o mesmo efeito.

É passar o dia na sorna?
Errr... estar de férias, um feriado, qualquer coisa assim.

É comer canja?
Almoçar em casa dos avós.

É suar de noite?
Actos múltiplos dessa actividade que é o "fazer o amor", só (tristeza...) ou a dois.

Vejamos... estou constipado se for Inverno, estiver de férias, de ressaca, almoçar em casa dos avós, tiver ido no dia anterior jogar à bola com os amigos e passar uma noite aconchegante com alguém especial.

Sabem que a semana passada estive quase quase a ficar com gripe... se tivesse ido almoçar a casa dos avós era a morte do artista.



P.S. Fui coagido a escrever sob pena de me chamarem "camafeu" e até quem sabe "imprestável". Foi o medo que me moveu. Que merda de post!

Parlamento Europeu aprova proibição...

O Parlamento Europeu aprovou, em Estrasburgo, a proibição da pesca do arrasto ao largo dos arquipélagos da Madeira, Açores e Canárias, com o objectivo de proteger os recifes de coral de cada uma das regiões.

Sabe-se que o Parlamento Europeu tem, também sobre a mesa (não referiram qual, por isso deduzimos que seja a de reuniões e não a de cabeceira), uma lista de proibições com especial incidência no nosso rectangulozinho, a saber:

-Proibição de usar ténis no dia-a-dia por "jovens" com mais de 50 anos!

-Proibição de A.J.J. sair do país (e se possível da R.A.M.), para dentro do espaço Schengen!

-Proibição de enunciar a Regra de L'Hôpital mais de 32 vezes por ano!

-Proibição de respirar durante 10 segundos, durante três vezes ao dia (de preferência antes das refeições)!

-Proibição da entrada de mais brasileiros/as em Portugal, excepto se forem desenvolver a sua actividade laboral na região de Trás-os-Montes, de preferência na localidade de Bragança (está vedada a possibilidade de laborarem na área da restauração, pois existe a possibilidade de um motim por todo o país, motivado pela proliferação de cidadãos oriundos do Brasil neste sector)!

-Proibição de fumar em locais!

-Proibição de permanecer mais de dois dias úteis sem fazer a sua higiene pessoal, vulgo "banhoca"!

-Proibição dos indígenas se acercarem de grandes superfícies, nos dias de ócio, com indumentária desportiva, vulgo "fato-de-treino" (medida que visa a protecção do comércio tradicional)!

-Proibição da extracção de mais leite das vacas da Quinta das Celebridades (Portugal corre o risco de responder na Comissão Europeia devido à sobreprodução de leite em Portugal, estando em causa o incumprimento das quotas leiteiras e consequente multa)!

-Proibição do voto não e vivo aconselhamento do voto SIM no futuro referendo sobre a Constituição Europeia (POR FAVOR!!!)!

Wednesday, December 15, 2004

Sequestro em Lisboa!

Dois homens armados com fisgas tomaram hoje de assalto um autocarro que transportava 155 passageiros nas imediações de Lisboa, na zona da Charneca do Lumiar. Os homens são gregos, de nome Giourkas Seitaridis e Fyssas Panagiotis, e exigem que um avião os leve para a Albânia, indicou a polícia. Os gregos querem também 50 euros, para as despesas de embarque, segundo uma refém libertada pelos raptores. Os gregos tiveram de libertar 77 reféns para se poderem mexer dentro do autocarro. Segundo uma conversa telefónica entre a RTP Memória e Fyssas, graças ao telemóvel do motorista:

"-Tivemos 39 minutos à espera que chegasse o 108. Isto é escandaloso! Como é que se pode sequestrar em condições?? Não pode! Na paragem diz que passam de 17 em 17 minutos... E nós pontuais como somos ficámos para aqui ao frio! Agora queremos 50 euros para despesas de embarque, só por causa disto! Se não nos fizerem a vontade desatamos a fisgalhar toda a gente, por Zeus, filho de Cronus e Rhea!!!"

Neste momento a polícia cerca o local. O comandante da divisão não deu esclarecimentos à Comunicação Social "...por se encontrar a almoçar na pastelaria Rosa Latina®, onde comeu como sobremesa um pastel de nata, como se não houvesse amanhã...", confidenciou-nos fonte policial. Ainda não se conhecem mais motivos dos dois gregos, nem a razão da fuga para a Albânia. Esta questão em especial ocupou grande parte da manhã dos especialistas em geografia da policia portuguesa porque, "...estava difícil encontrar Angola no mapa... hã?... Albânia? Não posso beber, estou ao serviço... "(de quê?).

A FRASE SUPER PODEROSA

De repente, da espontaneidade que nos caracteriza, surgiu:

"Ai Jesus, Maria, José" foi proferido, sem que se apercebesse de qualquer sentido intrínseco.

A frase vale por si mesma, independentemente de qualquer credo ou religião.

Valerá por referir figuras centrais da referência judaico-cristã? Valerá por referir três figuras, ou seja, associado a todo o simbolismo e miticismo criado à volta do número três?

Acredito que nenhuma das explicações é convincente e nem a conjugação das duas me satisfaz plenamente.

Todo o valor dessa frase advém da utilização de uma fórmula superior (para aqueles que buscam incessantemente a "fórmula única", redutora de toda a realidade como a conhecemos, aquela que determina todos os resultados e consequências, as causas-efeito, dos fenómenos naturais: PRESTEM MUITA ATENÇÃO A ESTE SEGREDO!), a qual passo a enunciar:

Portanto: "Ai, (elemento 1 de tripla importante), (elemento 2 de tripla importante), (elemento 3 de tripla importante)" = FRASE SUPER PODEROSA

[atentar que o "Ai" é de importância vital para este exercício. Já não significa o mesmo dizer "Ui", "Elá", "Olarilas" ou mesmo "Che". Qual a credibilidade, desde logo, de dizer "Olarilas, Jesus, Maria, José" ou até "Che, Jesus, Maria, José", sendo que neste último caso estaríamos a alargar inconvenientemente o leque de personagens, até porque nem vão muito à bola umas com as outras? ]

Como é óbvio, isto vale para a utilização de todas as triplas importantes que existam.

Infelizmente somos todos atados e influenciados por séculos de opressão da Igreja Católica, pelo que só usamos "Ai, Jesus, Maria, José".

Pela minha parte, podem encontrar-me num destes dias nas ruas da Baixa a exclamar, alto e bom som, frases como:

"Ai, Cócó, Ranheta, Facada."

"Ai, Peter, Paul, Mary."

"Ai, 1, x, 2."

E que ninguém se atreva, por manifesta e provocante desonestidade intelectual, a dizer que não percebe...

Parecer oficial do Colégio de Psiquiatria:

Um parecer do Colégio de Psiquiatria da Ordem dos Médicos chega à conclusão que: não há nenhuma situação em que a gravidez seja causa directa e inequívoca "de lesão grave e duradoura para a saúde psíquica" - logo o aborto por razões psíquicas previsto na lei portuguesa raramente se justifica. Mais: o caso da depressão, que, por ser tratável na maioria dos casos, não é considerado motivo lícito para um aborto nos termos da lei; que se lixe a mãe porque "o crianço" tem de nascer à força!! Tem, um feto, direito à vida? Óbvio, mas a sanidade psíquica da mãe também, ou será que não? Poderiamos pensar: isto deve ser uma bando de homens machistas a decidir! Mas não! Não só tem 3 mulheres, em dez membros do colégio (não deixa de ser desigual..), como é uma mulher que o preside. Já agora vou desvendar as identidades de cada um para não passarem impunes:

Dr.ª Maria (2 - uma delas presidente), Dr.ª Dulce, Dr. António, Dr. Carlos, Dr. Fernando, Dr. João, Dr. Joaquim, Dr. José e o Dr. Pedro.

São estes que dizem que uma gravidez não afecta por aí além, psicologicamente, uma mulher, e muito menos para abortar; ouviram suas desnaturadas abortadeiras! Sim, vocês que abortam por prazer e apenas para não gastarem dinheiro em pílulas, preservativos e DIUs! Fazer um aborto, só se estiverem para morrer (e mesmo nesse caso, nunca antes de se começar a ouvir o PIIIIIIIIII na máquina), ou se tiverem sido estupradas (sem a mínima margem de dúvida porque, libidinosamente, foram açoitar a mente incauta de um pobre e trabalhador homem, que não tem culpa de viver na “coutada do macho latino”). Estas duas brechas no pilar da vida, já são o testemunho da benevolência! Eu até digo mais: muitas delas nem se apercebem que estiveram grávidas e, só caem em sí quando o filho lhes diz que vai morar sozinho (como as coisas estão hoje em dia, lá para os 45 anos). Antes disso nunca ouviram falar de filhos! E uma mulher que tem como maior dor-de-cabeça, nas suas obrigações maternais, a saída de casa do filho, não é boa mãe com certeza! Entramos, então, num círculo vicioso: se não é boa mãe deveria ter alguma vez tido um filho? Mas esta discussão deverá ficar para segundas núpcias!!

P.S.1: Espanha, com uma legislação semelhante à nossa (parece estranho mas é verdade), regista a espantosa taxa de 97% dos seus casos por motivos psicológicos maternos. Este Colégio, aponta o caso espanhol como "uma prática negligente e abusiva da lei", enquanto que em Portugal os "critérios são científicos"!

P.S.2: Fico feliz quando nos mostram que somos mais científicos que os espanhóis!

P.S.3: Por acaso não sou militante/simpatizante do Bloco de Esquerda.

Tuesday, December 14, 2004

SOMOS FANTÁSTICOS!!

A Gerência deste humilde pardieiro infecto e nauseabundo, cheio de baratas, escaravelhos e outros rastejantes, inclusivamente aqueles de nomes impronunciáveis tem a honra de informar que este site foi visitado por cerca de 1598 cibernautas incautos e incultos (correcção: ficaram incultos, assim sim!) desde o passado dia 10 de Dezembro.

Mais comunica que foram supostamente avistados dois javalis em amena cavaqueira, um velhote e sua algália e três pares de ténis rotos - todos estes sem comunicação oficial DE MOMENTO

PSL sofre de Daltonismo Político!

PSL padece de Daltonismo Político defende a taróloga Abelha (nome fictício). Segundo ela o facto do primeiro-ministro demitido e demissionário não aceitar receber o PCP e "Os Verdes" separadamente, não deixa margem para dúvidas. Abelha (nome fictício tipo gato-com-rabo-de-fora) passa a desembrulhar:

O nome daltonismo tem origem em Dalton, químico inglês que era portador desta anomalia. Os portadores desta anomalia apresentam dificuldade na distinção de determinadas cores primárias, como o verde e o vermelho,...”

Aqui chegamos ao nó do busílis do assunto: PSL confundiu o verde com o vermelho!
E mais não diz Abelha (nome fictício que não deixa margem para dúvidas acerca da sua real identidade, é a Junha - Taróloga Junha) com medo que Gomes da Silva lhe aplique o contraditório!

E o Portas não sabe da missa metade...

As afirmações de Paulo Portas, ao referir que foi a pressão dos banqueiros que levou o Presidente da República a optar pela dissolução do Parlamento e à consequente queda do Governo, são brandas, frugais, amenas, flácidas, frouxas, moles, figulinas e parcas!
A Banca em Portugal vive um clima de total impunidade o que a leva a tomar, particularmente no geral, acções de cariz ditatorial.

Iremos enumerar algumas das mais recentes provas de força e poder por parte desse polvo que é a Banca em Portugal:

-O Presidente de Taiwan, Chen Shui-Bian, demitiu-se. Esta demissão foi provocada devido ao redondo não evocado por Shui-Bian a Álvaro Pinhal da Costada Leite (Finibanco), que não gostou que o presidente de Taiwan fosse, em 2002, a São Tomé e Príncipe e não passasse por Portugal para tomar um chazinho de cortesia. Assim, Costada Leite jurou vingança e, dois anos depois a Banca portuguesa volta a atacar, sem dó nem piedade provocando a demissão de Shui-Bian ao adulterar as, sempre insuspeitas, eleições da província chinesa;

-Fernandéz Ulrich (CEO do BPI), ao não gostar de ver o BPI envolvido no imbróglio da Lusomundo sobre a substituição da equipa directiva do «Diário de Noticias» provocou o sismo verificado em Portugal. Ulrich já tinha avisado quando quis a liberalização total dos despedimentos que era o último desgosto que lhe davam; na próxima "a casa vinha abaixo". Não veio, mas não faltou muito!

-Jardim Gonçalvéz (BCP) acreditava que fazer contacto com um universo de potenciais clientes será a principal vantagem da sua instituição. A verdade é que não foi alcançado nenhum contacto com o referido universo, o que levou Gonçalvéz a fazer a vida negra a Sean O'Keefe, pedindo-lhe responsabilidades espaciais. O'Keefe, o patrão da NASA, entregou, esta segunda-feira, a carta de demissão ao presidente norte-americano, após três anos na liderança da agência espacial informou um porta-voz da NASA.

-Carlos Rodriguéz (Presidente e Accionista Fundador do Banco de Investimento Global) não gostou de saber que o Ministério do Meio Ambiente de Espanha atribuiu a edição deste ano do prémio "Batedor de Oro" à Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), Coimbra, pela sua investigação no âmbito dos incêndios florestais. Este banqueiro ficou de rastos, segundo relatos familiares, uma vez que tinha apagado um foco de incêndio em sua casa, após a frustrada tentativa de estrelar notas de €500 em banho-maria. A reacção de Rodriguéz foi automaticamente, e num acto de pura vingança, contactou a ETA, braço armado do Banco, ordenando-lhe o tumulto em Madrid. Em consequência, a organização terrorista telefona para o Diário Gara (com chamada a pagar no destinatário) a fazer um falso alarme de bomba no Estádio Santiago Barnabéu em Madrid, provocando o pânico.O PROFITROLLS teve acesso a uma gravação do telefonema:
-'Tou... é do Gara? (traduzido)
-É sim senhor, o que deseja? (traduzido)
-Queria só avisar que vou fazer uma falsa ameaça de bomba!!! (traduzido)
-A SÉRIO????? (TRADUZIDO)
-É verdade!! (traduzido)
-... (traduzido)
-... (traduzido)
-Então homem, está à espera de quê para fazê-la??? (traduzido)
-Ah pois..., hrum, hrum, 'tá uma bomba no Santiago Barnabéu!! (traduzido)
-A SÉRIO????? (TRADUZIDO)
-É verdade (traduzido)
-Ora bolas, que maçada, vou já avisar os agentes da autoridade!! (traduzido)
-Boa tarde. (traduzido)
-Boa tarde e obrigado! (traduzido)
-De nada. (traduzido)

Luís Figo declarou-nos em exclusivo:
-¿Hombre, no me chateies, ok? ¿Fué una suposta bombita, vale? ¿No foi la segunda nim lá tercera vez que esso se passou comigo, vale? ¡Fué la primera! (traduzido dentro do possível, ok?!?!)

E então, ainda pensam que Paulo Portas anda a gozar com os portugueses?
A Banca arranja 1001 maneiras de se vingar de todo e qualquer que se atravesse no seu caminho!!

PSL qual Cristo

PSL talvez movido pelo sucesso que o filme "A Paixão de Cristo" registou por todo o mundo, mas especialmente em Portugal, visto sermos um país de beatas (especialmente no chão), quis fazer um paralelo, mas neste caso utilizando o processo oposto, ou seja:

-Ai, ai, ele aceitou-me três vezes, agora não me pode negar!!! Se ele agora me nega eu vou-me embora e ele nunca mais me vê e depois é vê-lo por aí aos caidos com imensas saudades minhas e tudo!

Jorge Sampaio aparece assim no papel de um Pedro dos tempos modernos, sem-saber-ler-nem-escrever uma vez que não foi a nenhum casting. Jorge, numa declaração à Lusa refere:

-Mas quem é que ele julga que eu sou, o Ronal Reagan?? Eu mal conheço o La Féria!!! Jim Cazaviel? Joga no meu Sporting?... É primo do Obikwelu? Não? Então é trolha no Estoril! De certeza!! Também não? Desisto! Monica Bellucci? Essa eu sei...deixem-me só pensar um pouco...está aqui debaixo da língua... É prima da Belle Dominique!!! É, não é??? Não...,... então não sei!! Tenho muita pena, mas eu para ir ao cinema ou ao teatro só arrastado pela Zezinha. É a minha grande pecha cultural! Eu nunca tive grande jeito para actor, e no colégio quando tinha de fazer os teatrinhos fazia sempre de árvore ou de calhau! Nunca dei muito valor...

Esta história terá com certeza os seus desenvolvimentos porque as referências bíblicas não terminam por aqui. Amén!

Monday, December 13, 2004

Mercali em desuso!

Eu vi hoje, e pela primeira vez, a escala de Mercali. Fiquei a saber que é uma escala descritiva, com 12 pontos, e está em franco desuso. E eu perguntei-me:

-Mas porquê? Uma escala com um nome tão janota, tão pimpão!!!

Foi então ao ver a descrição da escala de Mercali que tudo se tornou claro! Eu coloco aqui a escala de Mercali sem uma única alteração! Dou a minha palavra-de-honra que isto foi copy-paste, sem tirar nem pôr. Tomei a liberdade de "negrar" algumas pérolas!!

Por favor, não se riam (muito...):

Escala de Mercali:

I - Não se sente.

II - Só é sentido por pessoas em descanso ou nos andares superiores de um prédio.

III - Só é sentido por pessoas dentro de casa. Candeeiros do tecto balouçam. A vibração sentida é semelhante à provocada por um camião que passa.

IV - Vibração semelhante à provocada pela passagem de camiões pesados. Carros estacionados balouçam. Objectos de louça e janelas vibram. Objectos de cristal tilintam. Soalhos de madeira e vigas podem ranger.

V - Sente-se mesmo na rua. pode estimar-se a direcção das vibrações. Acordam pessoas que dormem. Agita líquidos em repouso, podendo mesmo entornar os copos cheios. Pequenos objectos são deslocados. As portas abrem-se e batem. Os relógios de pêndulo param ou aceleram.

VI - Sentido por toda a gente. Pessoas assustam-se e saem para rua. Torna difícil andar. Quadros caem das paredes. Móveis mexem-se ou caem. Caliça cai das paredes, azulejos racham. Pequenos sinos começam a tocar. Árvores e arbustos abanam.

VII - Dífícil manter-se de pé. Mesmo os condutores de automóveis o sentem. Os objectos suspensos balançam. Móveis partem-se. Tijolos e azulejos mais frágeis partem-se. Chaminés mais frágeis desabam. Cai gesso das paredes, tijolos soltos, cornijas, pedras, telhas. Formam-se ondas nos lagos e tanques. As águas ficam sujas de lama. Criam-se declives e desníveis ao longo de areais e zonas de gravilha. Grandes sinos tocam. Valas de cimento ficam danificadas.

VIII - A condução de automóveis é afectada. Construções são afectadas, algumas podem cair parcialmente. Queda dos estuques e de algumas paredes de tijolo. Chaminés torcem-se e caem, monumentos, torres, depósitos de água elevados caem igualmente. Estrutura das casas desloca-se ou chega mesmo a cair. Paredes soltas caem. Ramos das árvores partem-se. Temperatura e caudal da água das fontes e poços é alterada. Surgem brechas no solo em declives e na terra molhada.

IX - Pânico generalizado. Construção mais frágeis são destruídas. As construções normais são muito danificadas, algumas colapsam. Mesmo as construções mais sólidas são afectadas. Reservatórios de água danificados. Canalizações subterrâneas são afectadas. Brechas visíveis no solo. Nas zonas aluviais, areia e lama é ejectada.

X - A maior parte das construções é destruída juntamente com as fundações. Construções mais sólidas de madeira e pontes colapsam. Danos graves em barragens, diques e cais. Grandes deslocamentos de terra. Água de canais, rios, lagos é projectada. A areia e lama sofre grandes deslocações laterais nas praias e regiões planas. Carris de caminho de ferro são ligeiramente torcidos.

XI - Carris de caminho de ferro muito torcidos. Canalizações subterrâneas completamente destruídas.

XII - Danos quase totais. Grandes massas rochosas deslocadas. As linhas de nível são alteradas. Objectos são lançados ao ar.


(pausa para restabelecer do riso compulsivo)


Gosto especialmente dos pontos V e VI, que parecem um autêntico filme de terror em crescendo!!

No ponto VI as pessoas saem à rua: mas só no ponto VI!!

Mas no IX é o pânico!; só no ponto IX, e nunca antes, senão podem ser acusados de mariquice ou coisa do género!

Gosto da comparação dos sinos grandes/pequenos que acontece nos pontos VI/VII. Esta forma de descrição é utilizada mais uma vez. Agora o alvo são os carris de caminho de ferro que podem ficar ligeiramente/muito torcidos (pontos X e XI)!

Não admira que a escala de Mercali esteja em desuso! Mas talvez, aquando da vida do Sr. Mercali, aquilo fosse altamente genial e inteligente. Hoje, desculpe dizê-lo Sr. Mercali, não é, é até um pouco patarouco!!

A QUEDA DO GOVERNO

Ok, as coisas passaram-se como todos sabemos (ou não...).

Um queria ver o outro pelas costas, tal a quantidade de disparates.

O outro, qual Jesus Cristo, foi "confirmado três vezes".

O primeiro disse que ia dissolver a Assembleia.

O outro não se ficou atrás e fez cair o governo.

E é aqui que eu quero chegar: pela primeira vez na minha curta vida vi, rigorosamente em directo, ao vivo e a cores, a queda de um governo.

Aliás, sei que era o governo porque os comentadores televisivos insistiam persistentemente nisso.

Juro que a certa altura olhei para um grupo de quatro pessoas perfiladas por detrás de PSL e pensei que, assim que PSL acabasse mais um dos seus discursos poucos sincronizados com a cábula, iriam desatar a cantar as janeiras ou algo do género.

Mas não. Eram mesmo ministros do governo.

Com aquela comunicação, o governo demitiu-se. Caiu, como é usual dizer na terminologia política mais refinada.

O anúncio de queda não foi nem pomposo nem brilhante, como seria de esperar.

Só que os ministros ficaram mesmo de pé.

Ora bolas!, depois de várias horas de Conselho de Ministros, estava à espera de algo diferente. Com mais garra, ok, que o talento não abunda...

Tiveram horas para ensaiar coreografias de queda. Colectivas e/ou individuais. Imagino mesmo alguns talentos escondidos. A Olga Roriz anda por aí a fazer audições, segundo me confidenciaram.

Mas não: nem um deles, para amostra, se atirou para o chão...

Nem neste último momento o prometido é devido... Assim, como querem que os portugueses confiem nos políticos?

Friday, December 10, 2004

"O Contador de Histórias"

Não, não é um qualquer conto assinado por um qualquer escritor na fase descendente da carreira. É um trocadilho parvo com o counter que acabámos de adicionar ao Belogue. Espero que já tenham percebido a parte do Contador. Não?

Ok.

"Counter" é "contador" em inglês. Se no primeiro caso se refere a uma mariquice que os sites têm para tentarem dar mostras da sua popularidade (ver post "Celebridades"), o segundo tentava distorcer o seu significado com a sugestão de alguém que conta histórias. Correu mal.

A segunda parte do trocadilho, "Histórias", puxa a "Lérias" e tem a ver com o nosso objectivo de adulterar as estatísticas dos acessos Blohg assim que desejarmos ser instantâneamente célebres.

Já agora, está no fundo da página, é gratuíto (o lucro do merchandising das t-shirts ainda nem se cifra nos milhares de euros) e deve ler algo como 1 visitante. Esperamos o segundo entre amanhã e o Natal.

Epá, agora por Natal, fica desde já na calha um post sobre a Natividade e o seu significado económico (há outro?).

Um bem hajam e saudinha da boa.

FILMES 2 EM 1

EMMANUELLE vs PUTO DO SOZINHO EM CASA


Especialmente para esta época natalícia, estreará brevemente o novo blockbuster cinematográfico, do qual desde já antecipo uma sinopse.

Exemplar único do típico "filme de Natal" de Hollywood, "Emmanuelle vs puto do Sozinho em Casa" é um filme que levará hordas de famelgas às salas de cinema, às pipocas e aos saldos antecipados.

A acção da película centra-se no puto do Sozinho em casa, uma criança abandonada e negligenciada, cujo desenvolvimento pessoal foi marcado por inúmeros episódios familiares rocambolescos e trágicos, desde o falecimento do seu rato de estimação (Tobias, na versão portuguesa), empalado na gaiola, a vexames públicos perante colegas sádicos e intolerantes na primeira semana de aulas.

O puto do Sozinho em Casa cresceu e, aos 11 anos, tornou-se um pré-teenager triste e amargo, isolado do contacto com pessoas da sua idade. A sua falta de relação inter-pessoal fê-lo perder toda a confiança nos demais seres humanos, não tendo amigos e tratando todos com o desprezo e desconsideração a que sempre foi votado.

Vai passar a noite de Natal sozinho no seu quarto escuro e nauseabundo, depois de ter ralhado e batido na sua bisavó de 94 anos, a qual deixou a sangrar no chão da cozinha infecta da casa onde habitam.

Os pesadelos aumentam à medida que vai ouvindo e vendo, pela pequena janela que dá para a rua, as comemorações daquela noite especial para todos os outros. O puto do Sozinho em casa amaldição todos aqueles que a festejam...

Até que lhe surge Emmanuelle, uma figura fantasmagórica de ex-prostituta reformada de base militares americanas da Guerra da Coreia e Vietname. Com ela vai empreender uma longa viagem por essa noite, visitando caras e corações que ele não supõe amigos...

Este filme retrata uma pungente e, sobretudo, inédita história, uma verdadeira e inolvidável viagem ao centro da alma humana e dos seus mais puros sentimentos.

Sem dúvida um belo filme para ver na tarde do dia de Natal, arrotando, numa sala de cinema perto de si, a filhós e tirando lascas de peru daquele canto da boca que parece sempre impossível de alcançar.

Thursday, December 09, 2004

EU HOJE ACORDEI ASSIM

Posted by Hello


sorridente, florida, feliz da vida, um pouco despenteada


(http://bomba-inteligente.blogspot.com/)

Tuesday, December 07, 2004

Penedos demitiu-se do PS!!

Pelos vistos, Paulo Penedos demitiu-se do Partido Socialista!

"Paulo Penedos justificou à Lusa a sua decisão de abandonar o partido com o facto de a concelhia do PS de Poiares, onde exerce as funções de vereador, lhe ter retirado há um mês a confiança política e de a direcção nacional não ter sanado alegados danos ao seu "bom-nome"."

Mas, qual bom-nome?

O dele? O homem chama-se Penedos...; o da concelhia? Poiares???

Atentem nesta frase que poderia perfeitamente ser de cariz político:

-Ó Penedos já chegaste de Poiares?

Isto é o suficiente para destruir um partido!
É o suficiente para diminuir o número de colaboradores independentes nas "Novas Fronteiras" (este designio que o PS alanzoou para nos encher a vista, ainda vai ser alvo de estudo pela minha pessoa), o que poderia levar ao fracasso das ideias dos socialistas.

Acho muito bem que pessoas com estes nomes sejam afastadas da vida pública portuguesa (como diria a minha patroa: "-Nem deviam sair de casa!" - apoiado querida!).

Sobre WCs

Não amiúde vezes, por volta do após-almoço tenho ideias destas.

O que se passa actualmente com as casas de banho públicas, vulgo WCs?

Da última vez que entrei numa casa de banho pública para mulheres (tipo no Colombo ou o próprio Estádio de Alvalade), existiam cubículos individuais fechados, cada um com o seu trono.

Ora, na parte dos homens a coisa é bem diferente: a grande maioria das vezes deparamos com aquela magnífica parede-em-pedra-ou-azulejo-feita-micotório, ou uma série de urinóis seguidos.
Podem dizer que é por uma razão de anatomia, mas a verdade é bem diferente:

Por que é, para mijar, uma mulher vai ao cubículo, completamente isolada e para mijar eu fico ali, com a minha minhoquita enrugada e tristonha na mão, eventualmente sujeito a todos os olhares laterais e completamente indefeso em relação a eles??

Se fosse apenas por razões anatómicas, porque não ter no WC das mulheres uma série de sanitas de seguida, sem absoluta necessidade do cubículo?

Ou então, qual o problema de ter os urinóis em cabines individuas?

Esta é, na realidade, uma questão de privacidade ou, mais correctamente, de excessiva, ilegítima, imoral e inconstitucional protecção da mesma.

A verdade é que quem desenha estas casas de banho é, necessária e simultaneamente, homem, bichona e reaccionário, e digo isto por duas razões:

- Preocupa-se em demasia com as mulheres e a intimidade delas. (Bicha!)

- Usando as casas de banho dos homens, interessa-lhe ver as minhocas alheias, incluindo a minha. (Bicha!)

O que essa pessoa, ou pessoas, quer é andar aí nos WC a mirar, ou a ser mirados.

Mas temos aceitar isso, sem mais. Nós, homens, já nos habituámos à ideia e até gostamos, achamos piada. Falamos, fazemos competições na parede, tentamos levantar as bolas de naftalina...

Já quanto às mulheres, a coisa é diferente: ficam isoladas entre elas no WC e, sobretudo, têm um tratamento diferente daquele que têm os homens, para uma situação idêntica, isto é, mijar. E não podem conversar...

Portanto, mulheres: sentindo-se descriminadas, peçam um tratamento igual!!!

Exijam que sejam deitadas abaixo as paredes opressoras desses cubículos!!! Façam murais nelas, assinando "camarada Arnaldo de Matos, só tu nos compreendes"

Já se passaram mais de 30 anos sobre o 25 de Abril e continuamos a ser governados por políticas segregacionistas, ditadas por arquitectos bicha e voyeurs.

Exijam poder ver as ratitas, mais ou menos enrugadas, umas das outras!!!

Revoltem-se, que as casas de banho não podem ficar na mesma e compete-vos a vós liderar o movimento!!!

(tirar e queimar soutiens também não era mal pensado para o efeito, ainda que sugerisse o início da Primavera por causa das constipações…)

Jorge Nuno ministro afegão!

Hamid Karzai, eleito Presidente do Afeganistão num escrutínio histórico em Outubro, tem entre mãos um enorme problema na escolha dos ministros que vão formar o Governo de Cabul. Algumas organizações não governamentais estão alerta para as possíveis escolhas.
Os Trolls tiveram acesso a uma das possíveis escolhas de Karzai: Jorge Nuno Pinto da Costa.
É alguém com experiência nas áreas que o novo presidente do Afeganistão mais teme, a saber:

-arremesso (em Cabul vai experimentar a nova variante, pedras, por oposição ao efectuado em Portugal, livros);
-controlo de massas;
-corrupção;
-prostituição;
-especulação imobiliária;
-adulteração de resultados;
-chantagem;
-estabelecimento de regimes ditatoriais;
-contrabando de chifres e relógios de marca.

Os Trolls sabem de fonte segura que J.N.P.C., no caso de não poder ir a Tóquio, vai encetar uma fuga ao mais puro estilo Tempos Modernos de Chaplin, do tribunal de Gondomar, onde o Guarda Abel e Fernando Madureira dos Super Dragões vão aparecer no Porche do segundo (já agora, quem terá pago o Porche ao moço e por que favores...) e arrancam a toda a velocidade rumo ao aeroporto de Pedras Rubras, onde um avião militar americano o espera para, rumo a Cabul, mudar os destinos de um país que desespera por alguém do seu gabarito.

Os restantes arguidos no âmbito do processo Apito Doirado poderão seguir P.C., dando novos rumos às suas vidas. Fala-se nos corredores de Cabul que Valentim Loureiro poderá servir de sirene em possíveis ataques aéreos; os fiscais de linha ficarão de serviço no aeroporto na zona de arrumar os aviões; o empresário irá alternar entre Cabul e Kandahar e os árbitros continuarão a sua actividade neste país do Médio Oriente, correndo o risco de lhes cortarem as mãos se forem apanhados.

P.C. pretende que alguns costumes talibans voltem a vigorar: "aos jogadores é vedado o uso de calções e os adeptos estão proibidos de festejar golos, incentivar as equipas, protestar com o treinador ou de gritar com o árbitro". Esta regra teria sempre duas excepções: o F.C.P. (com especial incidência no factor: gritar com o árbitro) e Fernando Gomes (com especial incidência no factor: uso de calções).

A "namorada" de P.C. ficará em Portugal a comandar os destinos do FCP, uma vez que: "...tenho alguma dificuldade em andar assim tão tapada na rua...", segundo a própria. Mourinho já declarou à Agência Routers que teria muito gosto em voltar a ser campeão pelo FCP...

Ainda não foi escolhido o Ministério para P.C. mas é certo que terá de abranger o desporto por ser uma área onde P.C. tem inúmeros contactos internacionais, falando-se da possibilidade do F. C. Cabul (exigência de P.C., uma vez que a anterior designação do clube da capital não seria do seu agrado: Sport Cabul e Benfica) integrar o restrito grupo dos G-14.


A Human Rights Watch (com sede nos E.U.A.) pede ao Presidente para agir contra os senhores da guerra, alertando para a urgência de acções contra um chefe em particular, J.N.P.C., reconhecidamente um Don Corleone da máfia gaulesa(?)...

Monday, December 06, 2004

PSL

Durão Barroso dizia num temário, em Viseu, em Fevereiro de 2000, que Pedro Santana Lopes como candidato era um cruzamento de Zandinga com Gabriel Alves - "candidato astrológico" para os mais próximos. Será que Durão se referia apenas ao PSL-candidato ou esse misto intrínseco é que lhe vedava o acesso a São Bento (e já agora a outros locais de responsabilidade)?
Eu não me quero comprometer mas a do Cuidado com os rapazes é própria de Zandinga ou Gabriel Alves?;
E a dos violinos de Chopin (um dos maiores pianistas da história): Zandinga ou Gabriel Alves?;
E a carta a Machado de Assis agradecendo o livro (o autor morreu em 29 de Setembro de 1908): Zandinga ou Gabriel Alves?;
Eu não me quero comprometer mas cheira-me a gafes,... só uma ou outra, nada de problemático para um indíviduo que só foi Secretário de Estado da Cultura ou Primeiro-Ministro de um país.
Alguém vê alguma semelhança entre Santana Lopes, Berlusconi ou Bush?
Eu assim de repente também não...
Bem, o Bush não está careca, por isso não é a falta de cabelo...
Era capaz de jurar que têm alguma semelhança... cultural?

Hospitais São Assim-assim!!

Podem não acreditar mas:

Num hospital ali para os lados de uma empresa que tem duas letras que não são o Q e o U; perto duma rua que desce (pensando bem a rua também sobe, mas desce para um lado e sobe para outro... esqueçamos isto); essa empresa tem outra empresa que tem três letras que não são o U, o N e o O; é uma empresa sempre disponível para comunicar publicamente; e fica perto de uma entrada dada por uns franceses duma coisa maior que o Centímetro...

Bem, a protagonista foi uma mulher na flor da idade, ca(n)sada e prestes a verificar o milagre da vida; o protagonista foi um homem já de idade avançada mas cheio de sabedoria nos bolsos, daquela que não espera um segundo para sair e nos invade o cérebro com uma palavra tão brusca como: “Bolas!”.

Foi, pois, em pleno processo de preparação do milagre que a mulher (que se preparou para a maravilha frequentando tudo quanto era curso pré-milagreiro de reprodução: Shantalla, Toque da Borboleta, aquilo do Pilates - tenho uma teoria acerca desta coisa mas deixo para mais tarde - , aprender a respirar; como se durante vinte e tal/trinta/outros... anos andássemos a suster a respiração, mas tá bem, eu acredito que é útil - gostava de saber se as coelhas também vão a esses cursos para ter caçapos...) se colocou à inteira disposição do sabichão para aplicar tudo quanto aprendeu. Resposta do entendido:
“- Mas afinal quem é que é o médico aqui? Quem é que andou uma imensidão de anos a estudar e a queimar um elevadíssimo número de pestanas? Foi a senhora que perdeu imensos pacientes em estágios, hã? Mau Maria (que nem era o nome da coitada)! Mas afinal estamos onde? Num self-service, na Cochinchina (para quem estudou tanto, devia saber que a Cochinchina já não existe, mas vá lá, vamos ser benevolentes) na da Joana (eu aqui abstenho-me de comentar para não partir para o insulto)? Vamos lá ver se não quer ficar com o milagre dentro de si a ver se nasce/cresce/sai à noite/joga à bola/tira a carta/outros... por via do Espírito Santo/Pai de Santo/Santo Graal/outros...!! APRE, todos julgam que são médicos. Falam dos treinadores de bancada mas os médicos de pantufa são mais qu’ás mães! IRRA que estou mesmo apoquentado!”

Desculpe Shótôr - ouviu-se; ao que o Dr. respondeu: Vamos lá a fazer força, que é a sua função aqui, ok?

Quem não acreditou fez bem! Isto realmente não aconteceu (pelo menos à minha frente; agora não ponho as mãos no fogo que nunca tenha acontecido nalgum local deste imenso Portugal que nos acolhe como quem embala um berço - de verga, daqueles em que o recém-nascido luta como um herói contra o bicho-da-madeira - onde todos somos treinadores de bancada/médicos de pantufa/outros...)!!

Sunday, December 05, 2004

"Ê na quer ir"

Estava eu a ver o jogo daqueles senhores (com "s" minúsculo) de verde lá do Campo Grande, quando me vem à cabeça um jogador de nome engraçado que pontifica na defesa lagartina o que, diga-se, não é nada de especial hoje em dia.
Ora bem, esse colosso defensivo, jogador conhecido na sua rua (e em casa de uns primos que moram ao lado) estava muito bem no Standard e não queria clubes satélites, por mais que lhe oferecessem. "Grande sarilho!", soltou o seu agente que já se tinha comprometido... "vais ter que ter paciência, Joseph... não é todos os anos que te fazem propostas", dizia, enquanto o jogador berrava a plenos pulmões: "Mas Ê na quer ir! Ê na ker ir!!! ENAKERIRE!!!"
Como já perceberam, o fantástico elenco directivo e equipe técnica lagartina, como não faziam ideia do nome do rapaz que viram num vídeo às 4 e meia da manhã (já bem bebidos), adoptaram logo como nome o nosso conhecido e quase familiar "Enakarhire". Isto porque acharam que trocando um "e" por um "a" a malta não descobria...

Ah pois é! Pensam que andamos a dormir...

Friday, December 03, 2004

Catherine Zeta Jones, presidenta!

E não é que é verdade, Catherine Zeta Jones vai dispensar a módica quantia de 500 mil euros para comprar um clube de futebol: o Llanelli, um clube da segunda divisão galesa de onde Catherine é natural.
Este pode ser um mote a seguir por clubes portugueses.
Já se ouve falar nos bastidores do futebol indígena de algumas possibilidades:
-Maria José Valério para o SCP;
-Cinha Jardim para o SLB;
-Uma Peixeira para o FCP.
A principal diferença do caso de Catherine para o do burgo é apenas o pilim!
Catherine tem-no, estas tugas não!
Aqui vai um teste que pode separar algum trigo do joio...
http://bacaninha.cidadeinternet.com.br/home/secoes/testes/2002/06/teste_de_futebol/teste_de_futebol.htm

BACALHAUZADAS

Por falar nisso:

Receita de Punheta de Bacalhau

Ingredientes: 2 ovos cozidos; 1 pimento grande verde; 2 postas de bacalhau; 1 cebola média; 2 dentes de alho; sal q.b.; pimenta q.b.; 1 colher de sobremesa de salsa picada; 6 colheres de sopa de azeite +-; 2 colheres de sopa de vinagre +-.

Confecção: Retira-se a pele e as espinhas e desfia-se o bacalhau à mão.Lava-se depois o bacalhau em várias águas frias até perder o sal.Escorre-se bem o bacalhau.Entretanto asse o pimento, limpe-o e corte-o em tiras.Em uma taça de vidro, disponha em camadas alternadas as tiras de pimentos, o bacalhau e os ovos cortados às rodelas.Misture o azeite, o vinagre e a pimenta. Ligue bem.Regue tudo com o vinagrete e polvilhe com a cebola, o alhos e a salsa previamente picados.

Bom proveito!!!!

Bacalhauzada

Hoje acordei sobressaltado por um pensamento:
-Será que toda a minha vida andei a afagar as mãos dos outros homens, sem existir real necessidade de o fazer?

Talvez pareça algo tresloucado acordar com este pensamento mas vistas bem as coisas é bem pertinente, senão vejamos:

1º Não acordei logo com este pensamento. Foi algo que veio depois do urgente W.C.

2º Quando me aproximo de um amigo/conhecido/amigo de amigo/outros... estendo a minha mão para a sempre saudada “bacalhauzada”. Começo por aqui a defender a pertinência da minha inquietude. Que raio de nome para um aperto-de-mão!

Bacalhauzada...???
Venha de lá um bacalhau...???
Bacalhoada...???

Mas isto é lá forma de saudar alguém? Porquê este animal? Existirá alguma relação entre duas mãos apertadas e o formato de um bacalhau? Eu admito que fui investigar e a única semelhança possível é num dia de muita chuva, muito nevoeiro, a mais de 1 Km de distância e um indivíduo que não saiba o que é um bacalhau! Reunidas estas condições... Peço desculpa mas, nem assim eu admito semelhanças! E que não venha nenhum estudo provar-me o contrário (a não ser aqueles da TV Shop, porque nesses eu acredito, pois se eles falam 1001 línguas e dialectos, aparecem de bata branca, sentados atrás de uma secretária cara e com estetoscópio, vê-se logo que é um especialista internacional e dos bons)!

Pior: porque é que temos de nos tocar!?!?! É verdade ou mentira que quando chegamos perto de alguém a quem vamos “bacaulhauzar” dizemos algo do género:

“-Bom-dia/tarde/noite/outros...!”, ou se não gostamos muito do indivíduo em si, vamos mais para um, “-‘Tão?”

A verdade é que emitimos um som, o que bastaria para uma saudação coloquial ou mais formal. Mas não!, temos de nos tocar e ficar a abanar o braço de forma estúpida como quem está realmente muito feliz por sentir a mão de outro homem na nossa.
E tudo o que isso implica..., mudarmos as tralhas para a outra mão, deixar cair a chave do carro, secar as mãos quando saimos de uma casa de banho, as mãos transpiradas e sujas, e todo um rol de outras situações que me estão agora a atacar, mas o decoro impede-me de escrever.

Por tudo isto, e outras coisas que me esqueci - porque pela manhã a memória é a última a levantar-se da cama- eu tenho a minha teoria relativamente aos primórdios da B-A-C-A-L-H-A-U-Z-A-D-A!

Para mim foram os gays que inventaram isto! Alguém chegava e dizia - Olá!, e eles tunga, cá vai disto: uma festinha na mão! Mas para mim, isto vem da Grécia, país onde todos sabemos começou a mariquice e outras doenças desse género! Eles são todos "jájas" e como eram a civilização "da moda" de então, pegaram isto pelo mundo fora, o que me revolta profundamente!

Não basta um:

"-ENTÃO VIVA, TUDO BEM?!?!"

Mas sem festinhas...

O DIA EM QUE SALVEI HOLLYWOOD

Aconteceu, de facto, e aqui vos relato, quase em directo, ao vivo, a cores, ao pormenor e como última hora: a mega-indústria do cinema - e aqui com especial carinho relembro a norte-americana -, a 7ª arte, a tal das mil e uma faces sempre efusiva e iluminada por potentes holofotes que a perpetuavam, aquele que se renovaria eternamente a si própria, ESTAVA A MORRER.

Quase acabada, quase morta, quase enterrada. O grande rio de inovação de argumentos, sempre pronto a transportar mais uma gota para se juntar ao infindável oceano de grandes filmes, com grandes actuações e magníficos textos, estava prestes a secar.

Até que eu a salvei, e digo-vos isto com toda a modéstia que a minha pessoa e a natureza da minha intervenção permitem.

Passo a explicar: noutro dia, aproveitando essas maravilhas da tecnologia-ao-serviço-dos-preguiçosos-sem-mais-que-fazer-do-que-ver-filmes-acachapados-no-sofá, fui buscar um DVD a uma dessas máquinas de distribuição automáticas.

Entre muitas outras novidades que por lá jaziam, quase putrefactas, encontrei um título que me despertou a curiosidade, não como cinéfilo, mas como pseudo-observador da realidade: Jason vs Freddy.

Exactamente: dois dos mais obscuros protagonistas de filmes de terror dos anos 80 e 90. Fartos das suas impressionantes epopeias a solo, bem como das incontáveis e inenarráveis sequelas, decidiram juntar-se.

Entretanto soube que anda por aí outro filme do género: Alien vs Predator, dois tipos clara e obviamente da classe “extraterrestre-gay” que também decidiram juntar os trapinhos.

E é isto que está mal. E não pode ser.

Toda a gente sabe que estas junções são uma bandalheira: vem um e traz o seu pessoal, vem o outro com a sua gentalha, as comadres zangam-se, as verdades dizem-se e o filme não lucra nada nas bilheteiras. Está mal.

Na minha modéstia opinião, a fórmula não é má: o que é de lamentar são as parelhas arranjadas, isto é, só tipos mal-cheirosos, rancorosos e com óbvios problemas de acne e de traumas de infância.

Salvar Hollywood passa por dar um verdadeiro conteúdo à fórmula dos “novos filmes dois em um”. Uma fórmula que faça sentido. Uma que verdadeiramente chame o público.

E foi aqui que eu entrei.

Resumindo: o primeiro passo implica seleccionar os filmes que tenham aceitação do público. Isto afere-se pelo número de sequelas, ainda que estas também possam reflectir o número de estúdios/produtores/distribuidores enganados pela qualidade do produto merdoso em questão.

TODOS os filmes com mais de uma sequela são admissíveis neste exercício.

Depois, é só emparelhá-los da forma correcta.

O que é que isso quer dizer??

Porquê aceitar apenas filmes de acção/terror?? Porquê excluir outros géneros de filmes??

A fórmula do “novo filme dois em um” só tem a ganhar com a inclusão de outros géneros: comédia, comédia romântica, aventura, épico, drama, pornográfico…

O puto do Sozinho em casa, Harry Potter, o Indiana Jones, o cão Beethoven, o Padrinho, o Exterminador Implacável, a Emmanuelle, entre muitos outros, todos eles têm direito a fazer parte de um “novo filme dois em um”.

A imaginação não tem limites!!!

Veja-se algumas das combinações possíveis:

- Beethoven vs Rocky
(filme romântico em que Rocky, ex-presidiário condenado por triplo homicídio, sai em liberdade condicional. Na sua idílica busca pela nova felicidade, numa sociedade que desconhece e o rejeita, apaixona-se loucamente por Beethoven, um S. Bernardo sexy e carente. Juntos vivem uma amorosa relação, até que um facto novo vem alterar as suas vidas decisivamente...)

- o Padrinho vs Chewbacca de Star Wars
(Don Corleone é um magnata do petróleo, esbanjando fortuna em amantes, prostitutas, fatos caros e massa Milaneza. É aqui que surge Chewbacca, jovem que sofre irremediavelmente de uma doença chamada "megapilofilia" e que, entre outros, também atinge o actos brasileiro Tony Ramos e se caracteriza por excesso de pêlo corporal. Chewbacca torna-se o protegido de Don Corleone, que lhe dá o controlo de uma equipa de basebol profissional que não vence vai para 50 jogos. Será que Chewbacca conseguirá fazer daquela uma equipa vencedora??)

E brevemente teremos outras sinopses disponíveis, que a minha vida não é só isto...

"O Nascimento" segundo Virgílio Ferreira

Um pequeno comentário para vos trazer à memória esse grande escritor, que já em 1959, denotando um pensamento progressista e uma visão notáveis, resolveu baptizar a sua obra maior: "A Parição".

Uma bonita homenagem.

Que ele nos fez, claro.

Celebridades


"Clarabela" Troll (nome para ocultar a identidade)

Já cá faltava a avançadíssima mentalidade portuguesinha. Um dia vítima, outro Celebridade. Nem que seja por ter tido um filho fruto de um acto, menos que consentido, por parte de um trio de patifes. A "vítima" mandou um e-mail com a sua foto para publicação quando se apercebeu que as pessoas começaram a falar do blog. A cara do petiz escarrapachada online apagou da sua consciência qualquer traço de vergonha e eis que a mãezinha se lança para o estrelato. Nós apoiamos e fazemos a vontade à pequena. O Passeio da Fama parece, subitamente, subdimensionado. Correm rumores de que é a próxima a entrar para a Quinta.
A notoriedade é algo de fantástico. Há quem afirme ter visto t-shirts "Profi Trolls" na rua. É mercado paralelo, não liguem. Dois ouvintes do programa radiofónico "Boa Tarde" reportaram a existência de referências explícitas a este blog em ementas de vários restaurantes, na secção "Sobremesas". Tudo isto no dia em que a Reuters confirma que 2 noticiários no Bangladesh abriram com referência ao post "Nascimento", que assim alcançou a imortalidade instantânea. Vergonhoso.

Thursday, December 02, 2004

"O Pukanito"


"O Pukanito"

Podia ser o título de um quadro bonito, ao jeito do "menino que chora", mas não. É mesmo um Troll. E aquele cabelo parece um pouco Profi. Assim sendo, a pedido de muitas famílias (a nossa e outra que por enquanto não queremos divulgar), aqui está então a foto do próximo ícone nacional.

Vamos a ver...

"Só goleada por 9-0 em Newcastle compromete contas"

A esperança é a última a morrer!!!!


(com a devida vénia e agradecimento a JMMC)

Troll-se!

Desde já afirmo, reafirmo e treafirmo que a responsabilidade não é minha!!

Fui obrigado, violentado, abusado, violado por todos os lados!!!

Eu não queria este recém-nascido, queria antes um programa de discos pedidos às 4 da manhã na RR ou um chihuahua capado...

Não me deixaram. Preferiram isto, ok, o problema é vosso. Mas desde já aviso que vou minar o puto até ele ser maior de idade. E maior de idade à antiga, prai aos 21 anos!!!!

Vão ver!!!

Troll-se!!!

Para mim ele é janota!

Nasceu; e com toda a pujança que se lhe adivinhava é bem janota!

Todos sabemos que "quem pouco janota ama, pimpão lhe parece"!

É nosso e só por isso já tem um merecido canto no nosso coração ou noutro órgão qualquer, desde que seja dos importantes!

Os pais são gente de bem - pelo menos falo por mim - e digamos que não foi um descuido, foi pensado (pelo menos nos últimos segundos passou-nos algo pela cabeça, mas não garanto que tenha sido sobre este tema...)!

Este nascimento é o culminar de muita parvoíce que por diversas, inúmeras, infindáveis, incontáveis, indeterminadas, portanto, n vezes ao quadrado de uma exponecial nos disseram:

-Por amor de Deus, vocês já pensaram em calar-se, já não vos podemos ouvir, APRE!!!!!

Foi por estas e por outras que os três trolls decidiram fecundar um óvulo, e deixar crescer esta borboleta de aspecto, mas um machão com pêlo-na-venta no seu interior!!

Estamos cá para nos agradar!

Wednesday, December 01, 2004

O Nascimento

As águas rebentaram...

Não se notou muito porque chovia a potes.

Contracções...

Marca-se o 115... atende obviamente a Polícia.
Merda.

dilatação...

Marca-se o 112 enquanto o telemóvel guincha sem bateria. Gaita.
Não há tempo... a calçada parece cada vez mais um local acolhedor, ou pelo menos é o que dizemos.

Dilatação...

"Tragam-me cá o cabrão que me fez isto!!!!!"

DILATAÇÃO...

Ok, já está.
É feio, o sacana do puto.

Sai aos pais.
Aos 3.