Vídeos com alguma facécia

Agora é possível desfrutar de alguns vídeos relacionados com os textos. Para isso basta carregar no título do post. O título é aquela coisa a Negrito, com umas letras maiores, e que antecede as profícuas palavras deste blog. Advertência: Caros leitores, estão completamente proibidos de ver os vídeos antes de lerem as barbaridades escritas, correndo o risco de serem atingidos por uma comichão deveras desagradável na zona da púbis, seguido de pé-chato nas mãos e escorbuto nos tornozelos.

Monday, May 16, 2005

Ensaio sobre o Peso Excessivo do Estado

Uma vez que o tema voltou ao cerne do vulcão (graças a uma tirada do Sr. Pereira - mais uma vez Alberto, eu bebo da tua sabedoria), decidi elaborar um ensaio. Muitos me criticarão, acusando-me de oportunista, que só pretendo um lugar numa ilhota rochosa qualquer. A esses eu respondo, as Berlengas (Farilhões e Estelas incluídos) não são suficientes para conter o meu ego.
Voltando ao tema. O Estado pode ser comparado a uma mulher. Se tem peso excessivo ou não, depende dos olhos do seu namorado/marido - daqui em diante, será referenciado como homem, simplificando o processo. Se o Estado é a mulher, o homem serão os Partidos. Cingindo a análise aos homens detentores de sofá parlamentar, ela pode explanar-se da seguinte forma:

PP - Considera o Estado uma balofa, gordurosa, porca e sofredora de obesidade mórbida, portanto, um autêntico aborto. O homem-PP vê esta mulher com o diâmetro de um sobreiro centenário. Não lhe faria mal nenhum sachar (sozinha) todos os terrenos da Companhia das Lezírias, colocar 10 bandas gástricas, fazer 20 lipoaspirações e sessões tridiárias de Abdomenizer, de 30 minutos cada.

PSD - Está cheiinha. Para o homem-PSD, ela deveria ir (pelo menos) 3 vezes por semana ao ginásio. Até porque uma mulher para o gordota não fica muito bem com um homem baixo. A matriz galanteadora não lhe permite ter a seu lado uma moça com uns quilitos a mais, correndo o risco de ser desconsiderado pelos amigos. De qualquer forma, não concorda com a utilização da dissolução, como forma de eliminar a gordura, porque já passou pelo mesmo processo e sabe o quão doloroso é.

PS - Tem dias. Uns dias acorda e vê uma gaiata bem jeitosa e apetitosa a seu lado. Um jantar num restaurante de fast-food, no Freeport de Alcochete, não faria mal a ninguém. Noutros dias já lhe nota uma celulitezita, e pensa que bem poderia dar umas corridas pelo Parque Eduardo VII, em vez de passar a vida ao telemóvel dizendo às amigas, eu estou-me a cagar para a celulite.

PCP - Está magríssima. Tem de comer sempre fora e muito. Muita comida pesada, que a agricultura e indústria portuguesas produzem boa batata a boas salsichas enlatadas. Foi à custa de dietas - fomentadas pelas amigas socialistas e sociais-democrata, mas sobretudo populares, que, constantemente, lhe diziam, estás mais gorda - que ficou neste Estado... desculpem... estado! Tem de abandonar as aulas de Dança em cima das mesas.

BE - Anoréctica e bulímica em último grau. Para ele, a solução passava por acamá-la, dar-lhe um tratamento à base de comida macrobiótica e vegetariana, acompanhada por uma solução de haxixe, aplicada por via intravenosa. O homem-BE defende que, com gente tão gorda por aí, deveria ser possível retirar-lhes um pouco de gordura e dar à sua mulher. Mais, o ideal seria o Estado obrigar esta operação de transferência de gordura, na prossecução da igualdade de peso.

13 comments:

stillforty said...

Tudo certo excepto o BE, nem ela é anorética, nem o homem Be actua como tu dizes.
Beeemmm!
Desces já abaixo de zero!!!

stillforty said...

Beemmm! Já julgavam que tinha metido água, não? Não, não, ná ni!!!
Boas!

stillforty said...

Não gostas da menina do meu perfil?

stillforty said...

O Jardim e o Pacheco, olha que dois!!!
eheheheh

stillforty said...

PPortas. companhia das Lezírias, não. Companhia das Lezírias, não, chamem-me tudo menos isso!!!

stillforty said...

Olhem que a sigla do PSD está invertida! Não é a do PS é mesmo a do PSD.
Ora vejam lá!

stillforty said...

Pronto...já têm respostas que cheguem.
OK?
Eu topo-os!

bertus said...

...o "estado" da Stillforty pelo que a imagem permite ver seria o estado "ideal" da nação.
Se o tivessem visto antes, escusavam de ter perdido tempo neste estudo aturado e comparativo.
Mas nada se perde; quem sabe se o mesmo (estudo) não vai já servir para o próximo ano lectivo de Estudos Políticos e Sociais na cadeira de "A Mulher Em Estado de Sítio" ou " O Sítio da Mulher em Estado de Sítio"...
...acho que já me perdi...

Intés!!

AMAFAS said...

São todos tal e qual como eu disse! Sem tirar nem pôr! Aqui somos muito imparciais (não somos totalmente porque relativamente ao Benfas só puxamos para um lado - e até esse é gozado por estas bandas, mas muito de vez em quando), logo tudo o que mexe acaba por apanhar por tabela. E o PNR e o MRPP não esperam pela demora. Há quem diga que levamos tudo à frente. Eu sou mais comedido. Apenas digo que não deixamos nada inteiro à nossa passagem. Assim é menos exagerado, não é?

AMAFAS said...

Descendo abaixo de zero, fica frio.
Se meteres água, congela!
A menina do teu perfil deixa de poder estar assim vestida.
O Jardim e o Pacheco continuariam na mesma.
O PSD, agora sim poderia tornar-se PDS-F (Partido Só Desânimo - e Frio).
Se nos topasses magoavas a ponta do pé! E depois como era? Nós não ficaríamos melhor. Pontapés em simples trolls do campo. Que vergonha!

AMAFAS said...

A foto do perfil da Stillforty só poderia ajudar a elaborar o ensaio. Ou a moça não está a ensaiar uma coreografia qualquer?

Como tu dizes, "nada se perde", é bem verdade, mas tudo se transforma. Nem que seja para colocar um secador a funcionar nos EUA!

"A Mulher Em Estado de Sítio" poderá ser o nome do novo livro de Marinho Neves.
Depois de "Golpe no Estádio", leia: "A Mulher Em Estado de Sítio - o livro que acompanha o dia-a-dia de uma acompanhante de árbitro". Olha que não era nada mal visto!

Ze_Halcon said...

Bolo Mármore

Ingredientes:
200g de açúcar
200g de margarina
5 ovos
175g de farinha
1 colher de sopa de fermento em pó
25g de cacau

Preparação:

Bata o açúcar com a margarina até obter uma mistura esbranquiçada.

Adicione os ovos, um a um, junte a farinha peneirada com o fermento aos poucos.

Misture o cacau a metade desta massa.

Com uma colher de sopa, deite a massa branca e a massa escura alternadamente, numa forma redonda untada com margarina.

Leve a cozer em forno médio durante 40 minutos.

olhardemim said...

Algum destes sou eu?