Vídeos com alguma facécia

Agora é possível desfrutar de alguns vídeos relacionados com os textos. Para isso basta carregar no título do post. O título é aquela coisa a Negrito, com umas letras maiores, e que antecede as profícuas palavras deste blog. Advertência: Caros leitores, estão completamente proibidos de ver os vídeos antes de lerem as barbaridades escritas, correndo o risco de serem atingidos por uma comichão deveras desagradável na zona da púbis, seguido de pé-chato nas mãos e escorbuto nos tornozelos.

Wednesday, September 06, 2006

Quando ressonar é pecado

Eu ressono! Sou alguém que, durante a noite, simula na perfeição quer o aterrar, quer o descolar de aviões, em pleno aeroporto da Portela. A patroa até pensa que poderia ser um número com o qual eu poderia ganhar a vida. Quem sabe fazer carreira. No entanto nunca fui apreciador de transportes colectivos de passageiros.

Voltando ao que interessa. É por demais irritante pedir a alguém para ressonar menos. É o mesmo que pedir a um cego para montar um lego pelas instruções. Ou pedir a um arrumador para manter um ar lavado. Ou pedir ao Joaquim Monchique para se vestir como um homem. Ou pedir a quem compra o Expresso para não ter um ombro mais descaído que outro. Enfim, acho que já me fiz entender. O ressonar não é voluntário. É como se o semáforo ficasse verde e fôssemos taxistas: apita-se! É algo que não se controla. É mais forte que nós. Para alcançarem a dimensão do fenómeno, basta pensar que o Manuel Maria Carrilho tem um ressonar ainda maior que o seu ego.

Contudo, se realmente incomoda assim tanto “alguém com quem partilho um quarto” – atenção, não falo da cama – posso sempre deixar de respirar. Desta forma, não só não atura o meu ressonar, como garantidamente não me atura no dia seguinte.

PS1: Este texto, em momento algum, se dirige à minha patroa. Ser aliás a quem muito devo por ainda aturar a pujança dos meus decibéis nocturnos, com o mínimo queixume.

PS2: É verdade que ressono bastante alto porque eu próprio chego a acordar devido ao meu “espectáculo”!

6 comments:

augustoM said...

Eu não ressono
Tu ressonas
ele ressona
É um verbo deveras singular, aplinação se sempre a negação na primeira pessoa.
Um abraço. Augusto

augustoM said...

Errata: onde se lê aplinação se deve-se ser aplica-se. Escapou.

AMAFAS said...

Mas Augusto, EU ressono. E não é pouco, segundo rezam as crónicas!

Abraço

BlueAngel said...

Gostei do regresso e tenta poupar a patroa durante a noite. Afginal ela tb precisa de descansar. :-)

Bart Simpson said...

como eu te compreendo, melhor, como a minha patroa te compreende... (acho que vou imprimir este post e encaixilhar)

A Rapariga said...

Não davas para dormir comigo...
Matava-te e pronto. Já podia dormir sossegada.