Vídeos com alguma facécia

Agora é possível desfrutar de alguns vídeos relacionados com os textos. Para isso basta carregar no título do post. O título é aquela coisa a Negrito, com umas letras maiores, e que antecede as profícuas palavras deste blog. Advertência: Caros leitores, estão completamente proibidos de ver os vídeos antes de lerem as barbaridades escritas, correndo o risco de serem atingidos por uma comichão deveras desagradável na zona da púbis, seguido de pé-chato nas mãos e escorbuto nos tornozelos.

Tuesday, February 21, 2006

Novo final para O Patinho Feio

Na história infantil de Hans Christian Andersen, O Patinho Feio, uma pata chocou vários ovos e dentro de um deles, quando a sua ninhada nasceu, um dos patinhos era feio como uma noite de trovões! Além de feio era trapalhão, enorme e diferente dos demais. Foi rejeitado pela mãe e pelos irmãos.

Triste pela rejeição, o patinho feio saiu de casa. Após muito deambular pelos lagos da vida, descobriu, observando-se no espelho de água onde nadava, que era maior do que os seus irmãos, muito lindo e seu porte físico era majestoso. Descobriu que nunca tinha sido um pato mas sim um cisne. Quando o cisne julgava que a sua vida tinha melhorado substancialmente, foi-lhe diagnosticado H5N1, vindo a quinar pouco tempo depois...

3 comments:

Bart Simpson said...

na volta, nem tempo teve de dar uma...valente!

Kiau Liang said...

sádico!!!!

spartakus said...

Kamarada: fora de contexto. perdi a conta às vezes que tive de ir à escola da minha filha falar com a professora para corrigir o que ela tinha ensinado. ou corrigir em casa disparates nos manuais. indisciplina, 1 terço?...és optimista. tenho muitos problemas com a escola da minha filha. conseguiram que os pais quase não possam lá entrar. com o apoio, claro, da ass. pais.. aí tens razão. mas nunca me esqueço que ao ser ouvido por uma inspectora, o ano passado, ao referir que a minha filha, alemã, vinda para cá aos 6 anos, tinha MEDO de andar no corredor e estranhava a confusão na sala de aulas, recebi como resposta que na alemanha formavam traumatizados. lá NUNCA ouvi um grito ou um professor a ter que se impor. e não me considero traumatizado. é assim: desisti de dar aulas porque me achei um inútil. e por este caminho não vamos lá. a culpa é do sistema, claro, mas primeiro, dos professores e dos pais. e sei bem o que vale intelectualmente a maioria das salas de professores. e passa pela casa da maioria das crianças. onde muitos destes professores já cresceram. mal vão as coisas quando a escola não é para ensinar e os pais para educar. por cá é tudo ao molhe e fé em deus. desculpa a intromissão. boa tarde, um abraço.