Vídeos com alguma facécia

Agora é possível desfrutar de alguns vídeos relacionados com os textos. Para isso basta carregar no título do post. O título é aquela coisa a Negrito, com umas letras maiores, e que antecede as profícuas palavras deste blog. Advertência: Caros leitores, estão completamente proibidos de ver os vídeos antes de lerem as barbaridades escritas, correndo o risco de serem atingidos por uma comichão deveras desagradável na zona da púbis, seguido de pé-chato nas mãos e escorbuto nos tornozelos.

Friday, December 03, 2004

O DIA EM QUE SALVEI HOLLYWOOD

Aconteceu, de facto, e aqui vos relato, quase em directo, ao vivo, a cores, ao pormenor e como última hora: a mega-indústria do cinema - e aqui com especial carinho relembro a norte-americana -, a 7ª arte, a tal das mil e uma faces sempre efusiva e iluminada por potentes holofotes que a perpetuavam, aquele que se renovaria eternamente a si própria, ESTAVA A MORRER.

Quase acabada, quase morta, quase enterrada. O grande rio de inovação de argumentos, sempre pronto a transportar mais uma gota para se juntar ao infindável oceano de grandes filmes, com grandes actuações e magníficos textos, estava prestes a secar.

Até que eu a salvei, e digo-vos isto com toda a modéstia que a minha pessoa e a natureza da minha intervenção permitem.

Passo a explicar: noutro dia, aproveitando essas maravilhas da tecnologia-ao-serviço-dos-preguiçosos-sem-mais-que-fazer-do-que-ver-filmes-acachapados-no-sofá, fui buscar um DVD a uma dessas máquinas de distribuição automáticas.

Entre muitas outras novidades que por lá jaziam, quase putrefactas, encontrei um título que me despertou a curiosidade, não como cinéfilo, mas como pseudo-observador da realidade: Jason vs Freddy.

Exactamente: dois dos mais obscuros protagonistas de filmes de terror dos anos 80 e 90. Fartos das suas impressionantes epopeias a solo, bem como das incontáveis e inenarráveis sequelas, decidiram juntar-se.

Entretanto soube que anda por aí outro filme do género: Alien vs Predator, dois tipos clara e obviamente da classe “extraterrestre-gay” que também decidiram juntar os trapinhos.

E é isto que está mal. E não pode ser.

Toda a gente sabe que estas junções são uma bandalheira: vem um e traz o seu pessoal, vem o outro com a sua gentalha, as comadres zangam-se, as verdades dizem-se e o filme não lucra nada nas bilheteiras. Está mal.

Na minha modéstia opinião, a fórmula não é má: o que é de lamentar são as parelhas arranjadas, isto é, só tipos mal-cheirosos, rancorosos e com óbvios problemas de acne e de traumas de infância.

Salvar Hollywood passa por dar um verdadeiro conteúdo à fórmula dos “novos filmes dois em um”. Uma fórmula que faça sentido. Uma que verdadeiramente chame o público.

E foi aqui que eu entrei.

Resumindo: o primeiro passo implica seleccionar os filmes que tenham aceitação do público. Isto afere-se pelo número de sequelas, ainda que estas também possam reflectir o número de estúdios/produtores/distribuidores enganados pela qualidade do produto merdoso em questão.

TODOS os filmes com mais de uma sequela são admissíveis neste exercício.

Depois, é só emparelhá-los da forma correcta.

O que é que isso quer dizer??

Porquê aceitar apenas filmes de acção/terror?? Porquê excluir outros géneros de filmes??

A fórmula do “novo filme dois em um” só tem a ganhar com a inclusão de outros géneros: comédia, comédia romântica, aventura, épico, drama, pornográfico…

O puto do Sozinho em casa, Harry Potter, o Indiana Jones, o cão Beethoven, o Padrinho, o Exterminador Implacável, a Emmanuelle, entre muitos outros, todos eles têm direito a fazer parte de um “novo filme dois em um”.

A imaginação não tem limites!!!

Veja-se algumas das combinações possíveis:

- Beethoven vs Rocky
(filme romântico em que Rocky, ex-presidiário condenado por triplo homicídio, sai em liberdade condicional. Na sua idílica busca pela nova felicidade, numa sociedade que desconhece e o rejeita, apaixona-se loucamente por Beethoven, um S. Bernardo sexy e carente. Juntos vivem uma amorosa relação, até que um facto novo vem alterar as suas vidas decisivamente...)

- o Padrinho vs Chewbacca de Star Wars
(Don Corleone é um magnata do petróleo, esbanjando fortuna em amantes, prostitutas, fatos caros e massa Milaneza. É aqui que surge Chewbacca, jovem que sofre irremediavelmente de uma doença chamada "megapilofilia" e que, entre outros, também atinge o actos brasileiro Tony Ramos e se caracteriza por excesso de pêlo corporal. Chewbacca torna-se o protegido de Don Corleone, que lhe dá o controlo de uma equipa de basebol profissional que não vence vai para 50 jogos. Será que Chewbacca conseguirá fazer daquela uma equipa vencedora??)

E brevemente teremos outras sinopses disponíveis, que a minha vida não é só isto...

No comments: